Saltar os Menus

Notícias

18 de Setembro de 2019

Espinho. Notáveis da Minha Terra!

Exposição Virtual

O Arquivo Distrital de Aveiro – ADAVR dedica o mês de setembro às personalidades, figuras públicas, notáveis do concelho de Espinho.

Desde a atriz Maria Zulmira Casimiro de Almeida, mais conhecida por Mirita Casimiro, ao grande construtor de instrumentos considerado o “Stradivarius” português, Domingos Ferreira Capela , selecionamos 25 personalidade do concelho de Espinho de entre as milhares que celebra ao longo da sua história.

“A identidade do território espinhense extravasa a orla marítima e percorre um conjunto de lugares com características muito próprias, assentes numa tradição cultural singular que remonta a um passado longínquo e do qual a ruralidade se assume como um factor coevo de ligação entre a terra e o mar.”

in http://portal.cm-espinho.pt/pt/municipio/camara-municipal/historia-e-heraldica/

 


“As primeiras referências a Espinho como uma das principais estâncias balneares do país datam da segunda metade do século XIX. Até 1855 a Costa de Espinho pertencia à freguesia de Ovar, passando por Decreto de 24 de Outubro desse ano a fazer parte da freguesia de Anta, Concelho da Feira. Em 23 de Maio de 1889 foi criada a Paróquia de Espinho, tendo o decreto-lei de 30 de Dezembro de 1890, publicado no diário do Governo de 5 de Janeiro de 1891, determinado a criação da freguesia civil.

A criação do novo concelho, com uma única freguesia, surgiu dez anos depois, em 1899, com o decreto-lei de 17 de Agosto, que concretizou as pretensões da população. No ano seguinte à emancipação administrativa, Espinho foi abastecido de água, as ruas começaram a ser limpas e arborizadas, concretizou-se o alargamento das passagens de nível e o arranjo da escola Conde Ferreira. A Planta desenhada em 1900 pelo Eng. Bandeira Neiva continua a ser um dos maiores patrimónios de Espinho, conferindo-lhe uma singularidade tal, que os números dão “nome” às ruas.
Em 16 de Junho de 1973 a Vila de Espinho foi elevada à categoria de cidade e as freguesias de Anta e Silvalde à categoria de Vila, em 27 de Maio de 1993 e 1 de Julho de 2003, respectivamente.
Composto na actualidade por quatro freguesias (Espinho, Anta/Guetim, Paramos e Silvalde), no âmbito da Lei n.º 11-A/2013 de 28 de Janeiro, o concelho de Espinho apresenta uma economia basicamente assente nos sectores secundário e, sobretudo, terciário. O tecido industrial integra algumas empresas sediadas em várias freguesias e apostadas na peculiaridade e internacionalização dos seus produtos e na procura de novos mercados.
Um conjunto vasto de património histórico, com destaque para a componente arqueológica, religiosa e civil encontra-se em todo o concelho. O Museu, a Biblioteca Municipal e o Centro Multimeios são equipamentos dinamizadores de muita da atividade cultural e científica que se produz anualmente no município.”
in http://portal.cm-espinho.pt/pt/municipio/camara-municipal/historia-e-heraldica/
Nº de ordem Nome Notas Soltas Tipologia de documento Data do documento Código de referência do documento
1 José de Sá Couto Industrial e sócio de várias campanhas de pesca, foi o primeiro a construir uma casa de pedra e cal, na Praça Velha, perto do mar. Agraciado por Rainha D. Maria II com o Grau de Cavaleiro da Ordem de Cristo; Patrono da (actual) Escola E B 2/3 Sá Couto de Espinho Assento de casamento 05-05-1820 PT/ADAVR/PVFR18/2/5, fls. 100 e 100v
2 Joaquim de Sá Couto Comendador da Ordem de Nossa Senhora de Vila Viçosa; Escritor e poeta ; Chefe do Partido Progressista da Feira foi vereador e Presidente da Câmara Municipal de Santa Maria Feira; Filantropo foi o grande fomentador da construção em Espinho como o apeadeiro ferroviário, a capela de Nossa Senhora da Ajuda, do edifício para a Assembleia Recreativa.
Assento de batismo Assento de óbito 26-03-1820 / 24-01-1902 PT/ADAVR/PVFR18/1/5, fl. 29v PT/ADAVR/PESP02/3/35, fl. 3
3 António Pinho Branco Miguel Júnior 1ª Presidente da Junta de Freguesia de Espinho, Juíz da Irmandade do Santíssimo Sacramento Assento de batismo 14-01-1855 PT/ADAVR/PESP01/1/8, fl. 183v
4 António Augusto de Castro Soares Licenciado em medicina; Integrou a Comissão Promotora da Criação do Concelho de Espinho; Presidente de Câmara em diversos mandatos, a ele se deve a construção dos Paços do Concelho. Assento de batismo Assento de casamento 27-10-1861 / 06-07-1901 PT/ADAVR/PVFR18/1/8, fl. 10 PT/ADAVR/PVFR18/2/62, fl. 8 e 8v
5 Joaquim Pinto Coelho Licenciado em medicina, na Escola Médico-Cirúrgica do Porto; trabalhou como médico na Associação dos Socorros Mútuos; Co-fundador do jornal »Gazeta de Espinho»; Presidente da Câmara Municipal de Espinho em vário mandatos, responsável pela construção do mercado municipal, pelo fornecimento de energia elétrica Assento de batismo 29-02-1868 PT/ADAVR/PVFR16/1/16, fls. 2v e 3
6 Manuel Fernandes Laranjeira Médico, publicista, místico, poeta, dramaturgo, ensaísta, militante republicano, conferencista. Tornou-se uma das maiores referências da cultura espinhense e portuguesa.
Tomou posse do cargo de Presidente da Câmara Municipal de Espinho, de 3 de Agosto de 1911 a 2 de Outubro de 1911. É patrono da Escola Secundaria Dr. Manuel Laranjeira, localizado em Anta
Assento de batismo
19-08-1877 PT/ADAVR/PVFR16/1/18, fls. 84v e 85
7 José de Oliveira Salvador Médico; Presidente honorário do Sporting Club de Espinho; foi graças a ele que o clube consegue construir o campo de jogos; Presidiu a um grupo de jovens que editava “O Oceano” e à direção de “A Gazeta de Espinho”; Presidente de Câmara de 1919-1926 a 25-01-1926 e 13-03-1926 a 13-06-1926; Em 1922 foi eleito deputado pelo Círculo de Oliveira de Azeméis. Assento de batismo Assento de casamento 10-08-1882 / 10-08-1908 PT/ADAVR/PESP01/1/5, fl. 48v PT/ADAVR/PAVR06/2/147, fls. 15v a 16v
8 José Pena Pereira da Silva Licenciado em Engenharia Civil pela Universidade do Porto. Nomeado em 1943 Diretor dos Edifícios Nacionais de Lisboa; em 1951 nomeado diretor dos Serviços de Construção dos Edifícios Nacionais; em 1966 foi nomeado Secretário Geral do Ministério das Obras Públicas; em 1968 nomeado Presidente do Cofre de Auxílio aos Funcionários do Ministério das Obras Públicas; Condecorado com a Comenda da Ordem Militar de Cristo e a Grande Oficialato da Ordem do Infante Dom Henrique. Assento de batismo 23-09-1906 PT/ADAVR/PESP02/1/39, fl. 85v
9 Augusto Oliveira Gomes Benemérito, emigrou para o Brasil onde fez fortuna; Sócio fundador da Fábrica »Brandão, Gomes & Cª, Lda»; Primeiro Administrador do Concelho de Espinho Assento de batismo 01-01-1862 PT/ADAVR/POVR05/1/64, fl. 2
10 Augusto Moreira de Oliveira Supercentenário português e a pessoa mais velha de Portugal desde 2 de Janeiro de 2009. Faleceu com 112 anos Assento de batismo 11-10-1896 PT/ADAVR/PESP03/1/35, fl. 7v
11 Domingos Ferreira Capela Construtor de instrumentos da família do violino, além de arcos e acessórios. Construiu o seu primeiro Violino quando tinha 20 anos, a pedido de Nicolino Milano. A qualidade dos instrumentos por ele construídos, reconhecida em todo o mundo, granjeou-lhe galardões em concursos internacionais.
É considerado o “Stradivarius” português.
Assento de batismo 05-06-1904 PT/ADAVR/PESP01/1/134, fl. 22
12 João Francisco da Silva Guetim João Francisco Guetim fez parte da primeira Vereação da Câmara Municipal de Espinho, no ano de 1899; Fundador dos Bombeiros Voluntários de Espinho, sócio fundador do “Centro De;ocrático de Espinho” e foi vogml da Junta de Fregue; Benemérito da freguesia de Guetim Assento de batismo 28-09-1842 PT/ADAVR/PESP03/1/4, fl. 87v
13 Manuel Alves Dias Martins Benemérito por excelência da freguesia de Guetim; Fez parte dos órgãos administrativos da freguesia tendo o cargo de tesoureiro dando o seu contributo para a Junta até 1893. Assento de batismo 17-03-1857 PT/ADAVR/PESP03/1/6, fl. 41
14 Joaquim Teixeira da Silva Amaral Padre e pároco de Espinho em 1903. Completou a obra grandiosa da Igreja Matriz de Espinho, que ele encontrou nos alicerces. Assento de batismo 08-12-1863 PT/ADAVR/PARC07/1/11, fl. 6v
15 José Estevão Coelho de Magalhães Teve uma grande intervenção na passagem da linha de caminho de ferro pelo litoral, o qual desenvolveu muito o concelho de espinho. Assento de batismo 01-01-1810 PT/ADAVR/PAVR15/1/1, fl. 235v
16 Albano de Melo Ribeiro Pinto Político e empresário jornalista; Bacharel formado em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, Diretor-Geral do Ministério da Justiça, Governador Civil do Distrito de Aveiro e do Distrito de Castelo Branco, Deputado, Advogado, Conselheiro; Como Conselheiro informou o Governo dos direitos à emancipação do concelho de Espinho. Assento de batismo 17-04-1844 PT/ADAVR/PAGD04/1/15, fl. 92
17 José Luciano de Castro Advogado, Jornalista e Político Fundador do Partido Progressista. Deputado, Ministro e Presidente do Conselho de Ministros em diversas ocasiões, Par do Reino, Conselheiro de Estado; Assinou a emancipação de Espinho como freguesia e a criação do concelho de Espinho, desmembramento da Vila da Feira Assento de batismo 29-12-1834 PT/ADAVR/PAVR04/1/6, fl. 371
18 António Montenegro dos Santos Notário Público em Espinho; Republicano convicto, destacou-se tanto no meio social espinhense como na política; foi presidente da Assembleia Geral do Centro Democrático de Silvalde; Em 1911, exerce cargo de vice-presidente da Câmara de Espinho; Em 1912, é nomeado Administrador do Concelho de Espinho. Estatutos da Sociedade Cooperativa de Espinho, de Consumo, Produção e Crédito em 19 de Agosto de 1918   PT/ADAVR/NOT/CNESP1/001/0079, 31 a 41v
19 Alfredo Themudo Côrte Real Combatente da Grande Guerra no Corpo Expedicionário; Exerceu a profissão de Notário público em Espinho; Diretor do “Jornal de Espinho”; Presidente de Câmara de 05-01-1943 a 25-11-1944 Compra que faz a direção da Associação de Socorros Mútuos Funebre Familiar de São Francisco de Assis de Anta 26-05-1924 PT/ADAVR/NOT/CNESP1/001/0119, fls. 30 a 32
20 Alberto Augusto Dias Milheiro Cirurgião Dentista; Presidente de Câmara de 25-11-1915 a 13-07-1916; Secretário da Direção da Comissão Organizadora do Centro Democrático de Espinho; Dirigiu o «Velho Partido Republicano Português; Administrador do Concelho de Espinho Processo judicial- Ação de despejo 03-07-1905 PT/ADAVR/TJVFR/60 – Maço 103, processo 37
21 Padre António André de Lima Padre e Investigador da Historia local de Espinho; Pároco das freguesias de São Felix da Marinha, Guetim, Oliveira do Douro e Esmoriz. Sociedade de Companha. 04-01-1917 PT/ADAVR/NOT/CNESP1/001/0073, fls. 28 a 30
22 Manuel Alberto de Sousa Ferreira Batista Licenciado em Engenharia Eletrotécnica; Sócio fundador da Associação Académica de Espinho; Presidente de Câmara de Espinho de Manuel Alberto de Sousa Ferreira Batista de 21-05-1957 a 08-10-1960 Ofício da Câmara de Espinho ao Diretor Geral da Administração Política e do Ministério do Interior 02-02-1959 PT/ADAVR/GCAVR/ Correspondência Recebida e Expedida, Caixa 131 (1959)
23 Manuel Joaquim Simões Pedro Comerciante a proprietário; Presidente de Câmara de Espinho de 02-01-1914 a 09-09-1915; 02-01-1918 a 09-06-1919 e 24-07-1926 a 11-08-1926. Público Louvor 12-06-1929 PT/ADAVR/GCAVR/ Livro de Álvaras n.º 12, fls. 62 e 62v
24 Mirita Casimiro
[Maria Zulmira Casimiro de Almeida]
Atriz e Cantora; Estreou-se no cinema sob a direcção de Leitão de Barros, em Maria Papoila (1937); Estreou-se no cinema sob a direcção de Leitão de Barros, em Maria Papoila (1937); Casou-se Com Vasco Santana e posteriormente com João Jacinto; Cascais dedicou-lhe o Teatro Municipal Mirita Casimiro Foto do Fundo Documental Empresa Pública Jornal O Século – Torre do Tombo 04-01-1935 PT/TT/EPJS/SF/001-001/0033/0027J
25 César Henrique Moreira Baptista Ministro do Interior de Marcello Caetano em 1973-1974. Advogado, destaca-se como secretário nacional do Secretariado Nacional da Informação (SNI), de 1958 a 1968, onde sucede ao embaixador Eduardo Brasão. Presidente da Câmara Municipal de Sintra de 1953 a 1957. Com a subida ao poder de Marcello Caetano passa a Subsecretário de Estado da Presidência do Conselho. Foto do Fundo Documental Empresa Pública Jornal O Século – Torre do Tombo 1968-09-28 PT-TT-EPJS-SF-001-001-0184-4618AT_m0001_derivad
Esta notícia foi publicada em 18 de Setembro de 2019 e foi arquivada em: ADAVR, Documento em destaque, Geral.

Arquivo Distrital de Aveiro