Saltar os Menus

Notícias

26 de Dezembro de 2018

Documento em destaque

O documento em destaque refere-se à indústria de moagens de cereais, em concreto à fábrica “Fábrica de Moagem de Ovar” (Costa & Souto) que iniciou a sua atividade enquanto sociedade em 10 de dezembro de 1875. A escritura que apresentamos tem o título “Escritura de Sociedade que fazem Manuel Fernandes Ribeiro da Costa e Manuel Dias Souto”.

Na sociedade atrás referida foram outorgantes:

– Manuel Fernandes Ribeiro da Costa, casado, do lugar da Estação desta Vila e Manuel Dias Souto, casado, do lugar de Cabomonte, freguesia de Souto comarca da Feira e residente neste lugar da Estação, ambos proprietários.

A fábrica foi montada num armazém próximo à estação de caminho-de-ferro de Ovar, pertencente ao sócio Manuel Fernandes Ribeiro da Costa, armazém que este deu de arrendamento, assim como poço e terrenos próximos do armazém que forem necessários para as edificações que tiverem que fazer. O poço mencionado daria somente água para consumo da máquina a vapor.

Nove meses depois, por morte do sócio Manuel Dias Souto, a sociedade é dissolvida, mas a moagem terá continuado a sua actividade sob a direcção do sócio Manuel Fernandes Ribeiro da Costa.

Durante as décadas de 1880 e 1890, o número de fábricas de moagem a vapor cresceu consideravelmente. Em termos de desenvolvimento tecnológico podem-se apontar dois passos principais dados pela indústria moderna de moagem de cereais. Desde logo, a introdução dos motores a vapor no processo de moagem. Em segundo lugar, a substituição das mós de pedra por cilindros metálicos: o conhecido sistema austro-húngaro caracterizava-se pela utilização de moinhos que, trituravam o cereal através de dois cilindros em ferro fundido horizontais, um liso outro estriado que, em passagens sucessivas, iam descascando e moendo o cereal até este se tornar farinha.

A título de curiosidade, com o aparecimento das fábricas de moagem, os moinhos foram-se reconvertendo passando a triturar caulinos para a fábrica de tintas, aproveitando assim o trabalho dos antigos moleiros.

A escritura da empresa em apreço pode ser consultada no livro de escrituras do tabelião Eduardo Elísio Ferraz de Abreu, liv. nº 30 de folhas 35 a 36. Livro este sob custódia do Arquivo Distrital de Aveiro com a cota atual: PT/ADAVR/NOT/CNOVR3/001/0032.

Teresa Valente

ADAVR | Assistente Operacional

 

Fonte: Rodrigues, Manuel Ferreira, – Empresas e empresários das indústrias transformadoras, na sub-região da Ria de Aveiro, 1864-1931. Lisboa : Fundação Calouste Gulbenkian, 2010. 733 p. ISBN 978-972-31-1322-8

http://revistareisovar.blogspot.com/2011/03/caminhos-da-farinha-passam-por-ovar.html

Esta notícia foi publicada em 26 de Dezembro de 2018 e foi arquivada em: ADAVR, Documento em destaque, Geral.

Arquivo Distrital de Aveiro